Netflix | Sense8

, ,

Finalmente chegou a Netflix uma das produções mais esperadas do ano, o final de Sense8, série criada por Lana e Lilly Wachowski. No início do ano passado a produção estreou sua segunda temporada e pegou todos de surpresa ao ser cancelada pelo serviço de streaming logo após, o que deixaria a história do cluster mais amado do mundo inacabada. A decisão não durou muito tempo, depois de diversas reivindicações mundiais de fãs, foi decidido que realmente não haveria uma terceira temporada, mas os oito sensates não ficariam sem um ato final, a produção de um episódio final seria realizada! De lá pra cá se passaram cerca de um ano até o desfecho ser disponibilizado.

Em resumo, Sense8 conta a história de Nomi, Lito, Sun, Will, Riley, Kala, Capheus e Wolfgang, oito pessoas de nacionalidades distintas e sem aparente ligação alguma uns com os outros, até que estes descobrem ser parte de uma raça tecnicamente diferente da humana, os chamados homo sensoriums, uma variação do homo sapiens, onde pessoas conseguem se comunicar e ir mais além no contato com outros de sua espécie, mesmo estando estes a quilômetros de distância.

A produção se mostrou quase um serviço público de informação desde sua concepção, a começar por ser criada e escrita por duas mulheres transgênero, por além de ser protagonizada por 8 pessoas totalmente social e etnicamente diferentes, como ser fiel as suas caracterizações ao escalar atores que representassem na vida real, o que seus personagens eram na série! Um elenco composto por americanos, indianos, mexicanos, sul-coreanos, europeus, africanos, a personagem de uma mulher trans, o que deveria ser mais que óbvio, sendo representada por uma atriz também trans (Jamie Clayton). Indo mais além, por explorar questões sociais como racismo, homofobia, misoginia e ainda mais.

O que tornava Sense8 ao mesmo tempo que representativa, uma série profissional e competente, era a coesão e maneira fluida com a qual corria o roteiro com seus acontecimentos, o que me deixou temeroso além de ansioso para esse último episódio, era justamente o medo de que ao tentar agradar os fãs que tanto pediram por uma renovação, o último capítulo se tornasse um puro fan-service e pecasse na condução do seu encerramento, o que não aconteceu.

É claro que esse grand finale seria um grande fan-service, uma vez que foi unicamente por insistência desses que o elenco teve a oportunidade de se reunir mais uma vez para fechar essa história tão amada! Então obviamente há muito deleite para os sensates da vida real, há aplausos, há lágrimas e muito alívio, mas tudo isso combinado a uma fórmula certeira em que as Wachowski combinaram o útil ao agradável, o episódio foca na resolução do grande embate do cluster com a BPO e o vilão Whispers (Sussurros), retorna a todos os questionamentos dos capítulos anteriores e, seja por menção ou destaque, todas as pontas soltas são caprichosamente amarradas e temos as respostas tanto para as grandes questões gerais da série, quanto para os assuntos particulares dos protagonistas.

As cenas foram tão bem apresentadas e suas durações bem calculadas, que existe ainda tempo para dar destaque aos ótimos personagens secundários como Bug, Daniela e Amanita, uma ênfase necessária a cena de Dani e Amanita contra Whispers logo no início, Daniela mandou tão bem que este que vos fala precisou levantar e aplaudir, antes de continuar.

Como já dito, Sense8 é divertida e deliciosa, mas além disso é também séria e pontualmente provocadora, é aqui que vemos o quanto o dinheiro é o verdadeiro capitão de grandes decisões, caso contrário fica difícil de entender o porque de uma série tão aclamada e bem recepcionada não ter tido ao menos uma última temporada para dizer o seu adeus com mais calma e possibilidades, um produto de utilidade social, uma verdadeira corrente de inclusão a tantas comunidades e movimentos, como LGBTQIA, o movimento feminista, imigrante, de conscientização racial e a minorias que não costumam ter sua voz representada em super produções.

Voltando a detalhes técnicos, efeitos excelentes, uma fotografia e trilha sonora que fala por si só, além de um elenco exímio, com certeza escolhido a dedo, destaque a Bae Doona (Sun), a melhor personagem desde o início. As cenas finais, são simplesmente a cereja que faltava em um bolo quase que impecável, as problemáticas são eliminadas e tudo que nos resta é admirar esses personagens já tão amados! Torço para que a Netflix se atente a obras como Sense8 e se torne cada vez mais representativa, bem como espero ansiosamente por mais produções das garotas Wachowski, e também de todo esse elenco incrível!

Por último só peço que assistam! Que espetáculo, meus caros leitores, que espetáculo! 
Todos os episódios de Sense8 já estão disponíveis na Netflix!
Netflix | Sense8 Netflix | Sense8 Reviewed by Bhárbara Andrade on junho 09, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Veja também

Tecnologia do Blogger.