DPQS | Melhores filmes de 2017

, , , , , , ,
Fim de ano é hora de reunir a equipe e decidir os melhores do ano! 2017 foi o ano dos filmes intensos e esperados, das decepções e surpresas. E para começar nossas listas de melhores de 2017, escolhemos os melhores filmes. Cada integrante da equipe escolheu seus 5 filmes favoritos e quem ganha é você com uma lista enorme de indicações de bons filmes para você conferir de não perdeu nada. Anota aí! 


 Igor Rocha 
1. It: A Coisa 
2. A Bela e a Fera 
3. Mãe! 
4. Mulher Maravilha 
5. Annabelle 2: A Criação do Mal 

O remake do clássico de Stephen King destacou-se como sendo o prometido de 2017. E realmente não decepcionou. Neste longa temos um Pennywise mais assustador que seu antecessor, aniquilando qualquer sinal de comicidade que existia nele e que é característico de palhaços. A versão deste ano corrigiu as injustiças do roteiro da versão de 1990, acrescentando mais suspense e verossimilhança em uma trama cruamente ficcional. Temos efeitos visuais de cair o queixo, caracterização digna de Oscar e uma atuação também excelente. Destaque para Sophia Lillis e Finn Wolfhard nos papeis de Beverly e Richie, respectivamente. It: A Coisa é uma produção que brinca com as emoções do espectador a todo instante. Do início ao fim compartilhamos a alegria proporcionada pelos grupo de amigos, vivenciamos os medos dos personagens e vibramos com o suspense das cenas finais. Mais uma vez é incrível ver um dos mundo de Stephen King tornando-se realidade.


 Altair Reis 
1. Mãe!
2. Corra!
3. Dunkirk 
4. Blade Runner 2049
5. Bingo - O Rei das Manhãs

Há anos o cinema não vê algo como Mother! O renomado diretor Darren Aronofsky (Requiem for a Dream, Cisne Negro) escreveu em 5 dias um dos roteiros mais inusitados do ano, quiçá da década. Na superfície da história temos um escritor e sua esposa que vivem numa casa afastados da cidade. Tudo na casa ia bem até que visitas inesperadas começam a aparecer e quebrar a harmonia existente. Nas camadas mais profundas temos uma alegoria que, apesar de ter um fio condutor, permite inúmeras interpretações. Tudo em Mother! funciona perfeitamente. Os atores estão totalmente entregues aos seus papeis. Destaque para a atuação de Jennifer Lawrence que conduz inteiramente o filme e transmite todo o desespero situacional dos acontecimentos da história. A edição e a cinematografia são milimetricamente calculadas para levar o espectador ao desespero. Aronofsky não utilizou trilha sonora, investiu na edição de som e acertou em cheio! A os sons da casa parecem conversar com os personagens e com quem está assistindo. Assistir Mother! é uma experiência que provoca sensações que vão da apreciação à agonia. A menina dos olhos de Aronofsky é, indubitavelmente, a obra mais icônica de 2017.


 Caio Silveira 
1. Blade Runner 2049 
2. Mãe!
3. Baby Driver
4. It: A coisa
5. Good Time

O filme mais polêmico do ano, quiçá da década, disputando com The Human Centipede (2015, 2011, 2009), Nymphomaniac (2013) e A Serbian Film (2012), é o novo filme do diretor Darren Aronofsky (Requiem for a Dream, The Wrestler, Black Swan). Esse drama cheio de mistério, mostra a vida de um casal que vive em uma casa afastada da cidade, onde praticamente estão isolados de qualquer contato humano, até o momento que essa tranquilidade é interrompida graças a uma visita inesperada. O filme é uma experiência cinematográfica, assim como todo filme que te incita a decifrá-lo, mas diferente de Blade Runner 2049 (2017), por exemplo, que o seu conhecimento das discussões filosóficas dele te dão uma camada extra a história, Mother! não funciona por si só, a camada principal dele (o filme em si) só faz sentido se você conhecer a próxima camada (as referências), sem ela o filme vira uma simples alegoria e isso pode gerar uma frustração no público em geral, mas que, pra mim resulta em um produto sensacional, com metáforas muito interessantes, uma atuação da Jennifer Lawrence tão boa, que eu nunca achei que veria, em um contexto totalmente claustrofóbico e angustiante, onde a gente segue de perto a personagem interpretada por ela. No ultimo terço da história, em meio a todo caos mostrado em tela, o filme se confirma como um filme de artista, com cenas fortes, provocativas e que vão te deixar pensando por um bom tempo, e essa sensação de evocar leituras e reações diferentes, é o que faz esse filme ser tão bom de ser assistido e discutido.


 Pedro Tameirão 
1. Estrelas Além do Tempo
2. Mulher Maravilha
3. It: A Coisa
4. A Bela e a Fera
5. Jackie 

Três mulheres negras trabalhando pra NASA, uma perfeita quebra de padrões em plena década de 60 nos Estados Unidos, época marcada pela segregação racial e misoginia explícitas e livres. O enredo em si de Estrelas Além do Tempo já me conquista e me faz acreditar que o título de filme do ano é mais do que merecido. Apesar de algumas falhas, me senti completamente cativado pela motivação das três protagonistas, em especial pela atuação de Taraji Henson - intérprete de Katherine Johnson. Segregação sexual e racial diária vinda de seus colegas, humilhação mas a cabeça constantemente erguida de uma mulher extremamente dedicada aos seus objetivos.


 Bhárbara Andrade 
1. Colossal 
2. Logan 
3. O Filme da Minha Vida
4. Autópsia 
5. Fragmentado 

Dirigido por Nacho Vigalondo, Colossal tem uma premissa simples e que me deixou com um pé atrás antes de assistir. "Uma mulher descobre que está, de alguma forma, conectada com uma criatura gigante em Seul, na Coreia do Sul.", simples, apenas isso. Mas é aí que está, não é apenas isso. Anne Hathaway interpreta Gloria, uma mulher que sofre com o vício do álcool, uma carreira fracassada e o namorado que não compreende seus conflitos. Quando ela decide tirar um tempo para voltar à cidade natal e refletir sobre a vida, encontra Oscar (Jason Sudeikis) e descobre também que está ligada a um monstro gigantesco. Escolhi esse filme como indicação de filme do ano por ser algo completamente metafórico. Quem somos, relacionamento abusivo, traumas, empoderamento e questionamentos sobre a vida são levantados de forma metafórica nos personagens e nas cenas. Colossal é um filme importante pela mensagem final e pela forma diferente de fazer um filme cheio de mensagens importantes. 


 Thales Queiroz 
1. Logan
2. Baby Driver
3. Extraordinário 
4. Até o Último Homem 
5. Homem Aranha: De Volta Ao Lar 

Com Hugh Jackman encerrando seu ciclo na pele de uns do personagens mais aclamados pelos fãs dos X-Men, Logan nos mostra tudo que sempre quisemos ver do personagem: violência, sangue e caos. Um cenário pós apocalíptico e muito badass ajuda o filme a ter um tom de faroeste, onde Logan e professor Xavier são comparsas na luta pela sobrevivência. No longa podemos ver um Wolverine mais cansado, perturbado com o fato dos mutantes terrem sido extintos pelos fatos ocorridos em X-Men: Dias de um futuro esquecido. Já Charles aparece como um velhinho frágil e que não consegue mais lidar com a dimensão dos seus poderes, tendo que constantemente ser medicado para que as ações de sua enorme força não gere graves consequências. Podemos ver pela primeira vez nas telonas a"filha"do Logan mais conhecida como X23, que serve como elo entre os dois a fim de deixar a trama mais emotiva e com um propósito: salvar a garota. A partir daí o filme é no tom da carnificina total, com o Logan nos fazendo enxergar a verdadeira fera dentro dele e nos levando direto para os quadrinhos, afinal, esse filme mostra a essência do personagem inclusive seu lado mais emotivo em seu ótimo arco com a Laura (X23). O filme como um todo é uma obra de arte, explorando tudo e mais um pouco desse excelente personagem, e o mais importante para os fãs do herói: dando um fim digno e glorioso à ele!
DPQS | Melhores filmes de 2017 DPQS | Melhores filmes de 2017 Reviewed by Bhárbara Andrade on dezembro 17, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário:

Veja também

Tecnologia do Blogger.