Filmes | Logan (2017)





São quase 2 da manhã e eu decidi que não queria fazer crítica e nem review do filme. O meu primeiro sentimento ao sair do cinema foi que algum tipo de fim foi dado à minha infância naquela sala. Não que eu ainda acreditasse estar nela já que os 20 bateram à minha porta faz algum tempo. Eu me lembro exatamente como a minha mãe odiava que eu comesse assistindo televisão mas me lembro de não conseguir deixar de lado o desenho dos X-Men

Mesmo sendo uma franquia muito criticada no cinema, sempre fiz questão de assistir aos filmes assim que eram lançados. Sei que estou fazendo tudo isso soar como se fosse o fim dos X-Men e não, não foi isso. Mas foi o desfecho para uma geração que acompanhou o Logan desde o começo. Se você é desta mesma geração que eu, vai entender o sentimento assim que vir o filme.
This is what life looks like: people love each other. You should take a moment.
Dirigido por James Mangold, Logan é o filme mais visceral da franquia. Tem sangue sim, tem old Logan (valeu pelo fan service, ein?), tem referência aos quadrinhos, aos filmes anteriores. Foi uma surpresa receber um filme tão bem fechado. A pegada de 'Last Of Us' é facilmente identificada. Com uma visão muito mais humana em todo o filme, Logan chega a doer pela forma como retrata que envelhecer pode ser muito mais difícil do que imaginamos. Os planos abertos e a câmera em intenso movimento tenta passar para o espectador o caos em o personagem se encontra. Destaque para a cena do Cassino, que me deixou completamente agoniada. 

Com 92% de aprovação no Rotten Tomatoes (juro!), o longa tem também Patrick Stewart que entregou um Professor Xavier muito mais irônico e instável, bem diferente da franquia original dos X-Men. E ele ainda garante boa parte das cenas cômicas! Dafne Keen também é muito expressiva como Laura, e em alguns momentos me remeteu um pouco - pouco! - à Eleven de Stranger Things. 
Voices calling, voices crying. Some are born and some are dying.
Hugh Jackman... Impecável. A atuação é completamente visceral, assim como eu já disse lá em cima, os questionamentos existenciais do personagens são passados de uma forma tão simples e ao mesmo tempo direta, faz com que cada momento pareça simplesmente o mais real possível. A forma como seu corpo, agora velho e cansado, não corresponde da mesma forma, enche os olhos apenas por se imaginar um mundo onde Logan pudesse viver e envelhecer, ler o jornal com os óculos na ponta do nariz. 

Em nome da minha infância eu digo com todas as letras que esse é um filmão! Cada detalhe, diálogo, cena, cada cuidado tomado na execução do filme me deixou simplesmente satisfeita. Como alguém que acompanhou a franquia desde o início - 2000, eu tinha apenas 4 anos! -, tive o prazer de sair de alma lavada do cinema, sabendo que um ciclo foi fechado lá dentro. E foi muito, muito bem fechado. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário