21 de dezembro de 2016

Filmes | Favoritos de 2016

É fim de ano e eu tenho certeza que você tem uma lista de filmes que queria assistir e não viu, certo? Então vamos facilitar para você e te entregar os melhores filmes do ano aqui, sem spoilers! A equipe do Do pouco que sei se reuniu e cada um escolheu seus 5 filmes favoritos! Dos 5 cada um escolheu um dos filmes para fazer uma breve crítica. Tem filme brasileiro, sul-coreano, blockbuster e cult. Com qual lista você se identifica mais? 




Caio Silveira
1. A Chegada
2. The Handmaiden (Ah-ga-ssi) 
3. Capitão Fantástico 
4. Elle
5. Everybody Wants Some!!

Uma das principais referências do cinema sul-coreano, Chan-wook Park (Oldboy, Sympathy for Mr. Vengeance, Lady Vengeance), está de volta, assinando a direção e o roteiro de Ah-ga-ssi, depois de uma experiência não tão boa dirigindo um terror hollywoodiano em Stoker(2013), Park volta as origens, com seu cinema cheio de mistério, brutal, mas principalmente exuberante. No seu novo filme, Park, traz, com certeza, um de seus melhores trabalhos, a trama se passa na Coréia dos anos 30, numa época de ocupação japonesa, e foca em quatro personagens principais, Hideko, uma herdeira japonesa que vive isolada no campo com Kouzuki, seu tio dominador, Sook-Hee, uma recém contratada empregada, e um vigarista que se apresenta como Conde Fujiwara, para dar aulas de pintura à Hideko. Sendo dividida em 3 partes de mentiras e traições, o filme tem um trabalho de câmera vultoso, abusando dos planos bem elaborados e do espaço, tanto em ambientes internos, quanto externos, viajando por uma mistura de arquitetura inglesa e japonesa, o filme é uma brisa nos olhos de tão lindo, desde a trilha muito precisa, a imersão na beleza da literatura erótica japonesa, o filme explora personagens bem desenvolvidos, e claro, devolve plot twist em cima de plot twist, como o diretor sabe bem fazer, sem dúvida um dos melhores filmes do ano e minha principal indicação. 



Maria Clara Morais
1. A Chegada
2. Capitão Fantástico 
3. Animais Fantásticos e Onde Habitam
4. Mogli: O menino lobo 
5. Warcraft 

A Chegada, do diretor Denis Villeneuve, não é só o meu filme preferido de 2016, mas foi o melhor sci-fi que eu já vi na vida. É muito mais do que uma simples história sendo contada, é realmente uma mensagem que usa dos elementos da ficção científica pra mexer com os sentimentos mais humanos que existem. O medo do desconhecido e a maneira com a qual lidamos com seus efeitos e resultados é tratado no filme de uma maneira quase única e totalmente satisfatória. As atuações são perfeitas, e quem brilha sem parar durante todo o longa é justamente Amy Adams como Louise, uma verdadeira atuação digna de Oscar. Sem duvidas, um clássico instantâneo. 



Natália Lindner
1. O Regresso 
2. Rogue One: Uma história Star Wars 
3. Animais Fantásticos e Onde Habitam 
4. Os Oito Odiados 
5. Carol 

Não assisti muitos filmes nesse ano. Quase me envergonho disso. Ainda assim, não consigo esquecer desse longa, lá do comecinho do ano. Estou adicionando esse filme na lista como trapaça: nos EUA, ele estreou ainda em 2015. O Regresso trata de um simples homem em uma aventura épica pela sobrevivência. Ele não surpreende pela história, mas apresenta maravilhas com a filmografia. O que mais me encantou foram as incríveis paisagens. Em meio à neve, às montanhas e à locais inóspitos, o protagonista luta por sua vida, após ter sido traído por um de seus homens. No filme, percebemos muito sentimentalismo: somos levados em uma jornada profunda e repleta de dor. Com cenas cruamente reais, O Regresso me cativou do começo ao fim, e foi um dos poucos filmes em que consegui sentar na cadeira do cinema sem pensar em nada mais por toda sua duração. Com atores de peso, como Leonardo DiCaprio (que, a propósito, é o protagonista) e Tom Hardy, vemos uma superprodução de qualidade real. Para todos aqueles que gostam de um bom aperto no coração durante um filme, recomendo.



Bhárbara Andrade
1. Sing Street
2. Rogue One: Uma história Star Wars 
3. Deadpool 
4. O Bom Gigante Amigo 
5. A garota no trem

Sing Street tocou meu coração completamente. O filme, dirigido por John Carney tem a trilha mais apaixonante do ano - depois de Stranger Things, claro. Acompanhamos Cosmo (Ferdia Walsh-Peelo) no auge da adolescência e tendo que passar pelo dilema de separação dos pais, transição, mudança de colégio e Raphina (Lucy Boynton), a garota que muda sua vida completamente. A ambientação oitentista é linda demais e isso é acompanhado por toda a trilha que tem Duran Duran, Motörhead, The Cure, Daryl Hall & John Oates além de músicas autorais já que graças à paixão de Cosmo por Raphina, o garoto resolve montar uma banda. O filme é leve, cheio de simbolismo e gostoso de assistir. Escolhi como meu preferido pela imediata identificação com os personagens principais e pela trilha sonora maravilhosa. Ah, e tem no Netflix! Corre pra ver. 



Igor Rocha
1. Doutor Estranho
2. Pequeno Segredo
3. A 5ª Onda  
4. Batman vs. Superman
5. X-Men Apocalypse 

O longa é a adaptação para as telonas das histórias em quadrinhos do super-herói Doutor Estranho, um famoso médico que após sofrer um acidente vê sua vida completamente mudada. 
O filme da Marvel dirigido por Scott Derrickson conta com a atuação dos incríveis Benedict Cumberbatch (Sherlock; O Jogo da Imitação) no papel do Doutor Estranho, Tilda Swinton (Precisamos Falar Sobre o Kevin; As Crônicas de Nárnia) como a Anciã e Chiwetel Ejiofor (12 Anos de Escravidão) interpretando o Barão Mordo. Além do elenco, o trunfo do longa são os efeitos visuais que se destacam em sua maior parte. 
Com um ar psicodélico que muito se assemelha a Lucy in the Sky With Diamonds, o filme a todo momento brinca com a noção desconcertante de espaço-tempo em um tom bastante realista. Traz elementos nunca antes explorados em filmes do tipo, como a projeção da consciência e a viagem astral. É um possível filme a ser indicado a lista de Melhor Efeito Visual do Oscar 2017. 



Altair Reis
1. Aquarius 
2. Swiss Army Men 
3. Doutor Estranho 
4. Elle
5. The Handmaiden 

Aquarius é a prova viva de que o cinema brasileiro é sim de alta qualidade. Dirigido por Kleber Mendonça Filho e estrelado por Sônia Braga, o filme nos apresenta o drama de Clara, única moradora do antigo edifício Aquarius. Ela sofre pressão da Construtora Bonfim que quer comprar o seu apartamento para demolir o prédio e construir um novo edifício no local. Clara, entretanto, não quer vender seu imóvel, pois passou a vida inteira no apartamento e existe uma relação de afeto com aquele lugar. Aquarius fala da relação do sujeito com o espaço, Aquarius fala de política, Aquarius fala de resistência. O filme se sobressai em todos os aspectos. O roteiro é extremamente bem escrito e faz com que a película, que tem quase duas horas e meia, jamais fique cansativa. A direção é um show a parte, o diretor conseguiu absorver ao máximo o talento de Sônia Braga de forma que a câmera desaparece quando ela está em cena. Falando em Sônia Braga, que show! É indubitavelmente a melhor atuação brasileira dos últimos tempos. Direção de arte, trilha sonora, cinematografia, atores coadjuvantes, tudo nesse filme funciona harmonicamente e todo esse conjunto tornou Aquarius o meu filme favorito de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Do pouco que sei | Blog de fotografia, seriados, filmes e crônicas © , All Rights Reserved.