Filmes | Você conhece Steve McQueen?

E então, alguns de vocês podem conhecer o ator e astro dos anos 60 que fez grandes filmes como, The Magnificent Seven (1960), The Great Escape (1963), Papillon (1973), mas ok, não é ele.É o diretor, produtor e escritor Steve McQueen! Se você costuma acompanhar a cerimonia do Oscar, provavelmente, viu o britânico ganhar junto com Brad Pitt em 2014 o premio de melhor filme do ano por 12 Years a Slave (2013) - primeiro cineasta negro a conseguir tal feito -, um cara extremamente politizado e apaixonado por instigar seus espectadores, um artista singular. E como o Scorsese tem o De Niro e o DiCaprio, como Wes Anderson tem o Bill Murray e o Owen Wilson, o McQueen tem o Michael Fassbender como seu ponto de apoio, o ator aparece em todos os seus longas até agora, e é sobre eles que eu queria escrever hoje, pra instigar vocês a conhecer e acompanhar a carreira desse cara fantástico.

Começamos com o filme de estreia do McQueen, que após dirigir mais de 20 curtas durante sua carreira, foi lançar seu primeiro longa só em 2008. Hunger nos mostra ativistas do Exército Republicano Irlandês (I.R.A.), que presos, exigem serem tratados como prisioneiros políticos (o objetivo deles era separar a Irlanda do Norte do Reino Unido e reanexar-se à Irlanda), recebendo um tratamento desumano, sendo humilhados e tendo que conviver com uma violência diária, liderados por Bobby Sands (Fassbender), decidem por entrar numa greve de fome - hunger strike - para terem seus pedidos atendidos. Não aprofundando no aspecto político da história, Steve mostra sim a desumanização que sofrem tanto presos quanto guardas da prisão, lindamente feito, com takes incríveis, diálogos marcantes, é um filme pesado, que não é fácil de digerir, mas vale muito a pena ser visto. Além de tudo, o Fassbender ainda entrega uma performance à la Christian Bale em The Machinist (2004), te deixando totalmente paralisado
Nota: 8,5/10

Em Shame (2011) o núcleo da trama é a vida de Brandon (Fassbender), e seu vício em sexo e pornografia. Seria fácil explorar esse filme com cenas polêmicas e explícitas, mas Steve foca em mostrar as emoções, a solidão e os detalhes desse vazio existencial que se mostra presente na vida do protagonista, esse caos emocional se estende com uma visita por tempo indeterminado de sua irmã, que também parece estar destinada a autodestruição. Com mais uma atuação magnífica do Fassbender, é um filme poderoso, intenso e mais um belíssimo trabalho do Steve McQueen.
Nota: 9/10

 No seu mais recente filme, 12 Years a Slave (2013), somos apresentados a história de Solomon Northup, um violinista negro e livre de New York, que é sequestrado durante uma turnê em Washington e vendido como escravo, para uma "plantation" na Louisiana, retratando brutalmente o que acontecia no sul do Estados Unidos, por volta de 1840. É um filme cruel com o espectador e vai te fazer sofrer praticamente do início ao fim, te deixando desacreditado vendo tanta barbárie sendo feita pelo ser humano, mas ao mesmo tempo te hipnotiza com tanta beleza nos enquadramentos, na iluminação e nas atuações de destaque de Chiwetel Ejiofor, Lupita Nyong'o e Michael Fassbender, é com certeza um dos melhores filmes dessa década e pra mim o melhor ao retratar a escravidão, com toda certeza é um must see pra qualquer pessoa que gosta de cinema.
Nota: 9,5/10

Espero que tenham gostado da indicação, e curtido conhecer um pouco mais da filmografia desse excelente diretor, que já em 2018 vai lançar seu próximo longa.Já viu os filmes? Tem uma opinião diferente? Comenta aí, porque eu tô louco pra saber o que acharam. 😉


Nenhum comentário:

Postar um comentário