20 de maio de 2016

Filmes | Porque é mais fácil odiar o remake

Eu costumava achar que boa parte dos brasileiros não viam filmes legendados por preguiça e por isso usavam a clássica desculpa de que não conseguiam se concentrar ao mesmo tempo na legenda e no filme,porém,se pensarmos bem, não é de fato muito simples;você recebe uma informação da qual não entende e precisa ler uma legenda para formar um diálogo, tudo isso num espaço de tempo muito curto, isso pode ser muita informação pra quem não está acostumado ou afim de todo esse “trabalho”, claro que a adaptação pode ser demorada, mas conseguir apreciar uma atuação de forma completa, que não se resume apenas as imagens que vão para tela, é sensacional e altamente recomendado por mim. Mas esse não é um problema restrito a nós, a maioria da população americana, assim como a nossa, evita filmes com legendas e essa é a deixa pra Hollywood investir em remakes de ótimos filmes estrangeiros, que por falta de distribuição ou de receptividade aos filmes com legenda, não tem o sucesso e fama merecidos, e é disso que estou aqui pra falar. 

Pra começar, vamos ao que me levou a tocar novamente nesse assunto, o recente lançamento de Martyrs, que chegou aos cinemas em maio, e é remake do homônimo filme francês de 2008, um filme de horror que mostra a busca por vingança de uma mulher, contra as pessoas que a sequestraram e torturaram quando criança,com a ajuda de uma amiga também vitima de abuso, se metem em grandes enrascadas(a journey into a living hell), parece mais do mesmo, mas não, não é( eu poderia falar mais, mas sou fã das sinopses do IMDB, por isso, chega de spoiler), porém o que o filme de 2015, lançado aqui esse ano, não tem, é profundidade, esse sim é mais do mesmo, e dos piores. O que me encantou em Martyrs(2008) foi o seu peso psicológico, que te carrega te choca e te destrói, conseguindo ser um dos filmes que mais me deixaram abalado, nada perto do que o remake proporciona, que é no máximo vergonha alheia(3/10) bem filmada. Mas esse é só 1 de 3 remakes que vou falar hoje, calma.

Martyrs(2008) Foto: Reprodução


Outro remake recentemente produzido, foi Oldboy(2013), do original sul coreano de 2003, que é baseado num mangá japonês de mesmo nome e que é a segunda parte da chamada Trilogia da Vingança. O original, segue Oh Dae-Su na sua busca por respostas, após ter sido preso por 15 anos sem saber o motivo, esse misto de drama e suspense, com um roteiro cheio de reviravoltas, um final fantástico e provavelmente a melhor cena de luta já feita, é extraordinário. Vamos ao remake, pode parecer que a principal diferença está apenas no último ato, mas o que acontece é que com essa mania americana de querer suavizar e mastigar tudo pro espectador tentando fazê-lo linear e palpável, a essência do filme se perde, além de uma péssima atuação do Sharlto Copley, que merece destaque. Mas Spike Lee ainda consegue fazer um filme razoável (5/10) se visto isoladamente, e não conhecendo o original talvez possa ser mais bem apreciado.

Oldboy(2003) Foto: Reprodução


Por fim, vamos falar de um remake digno de Oscar, 4 pra ser mais exato, The Departed(2006), filme em que Scorsese se inspirou no suspense policial,Mougaan dou(ou Infernal Affairs(2002) como é mais conhecido) , onde mostra um policial infiltrado na máfia e um criminoso infiltrado na policia, ambos lidando com a pressão do que estão fazendo e tentando descobrir um ao outro. Pela primeira vez nessa lista, o remake é mais longo do que o filme original, sendo nele feito um aprofundamento dos personagens principais, esse é um exemplo de uma bela adaptação cultural de um filme, que em Hong Kong foca na organização criminosa Triad e no remake americano explora a máfia irlandesa em Boston, mais violento, melhor filmado (também com o background de filmes de máfia do Martin, não se podia esperar outra coisa) e com atuações excepcionais, até do Mark Wahlberg (que não tinha uma atuação que merecesse a menção desde Boogie Nights(1997)), no fim,o original é um filme fantástico, mas tinha espaço pra melhoria e o americano(9/10) entregou isso.

The Departed(2006) Foto: Reprodução


E então, temos ótimos, razoáveis e péssimos remakes, mas definitivamente não podemos descartar um remake só pelo simples fato de ser um remake, a discussão é se vale a pena ou não fazê-lo. O que muitos falam, é que o objetivo é exclusivamente financeiro, claro, assim como o original, o remake provavelmente também visa obter retorno financeiro, e provável mente não terá, se for um filme tipo Martyrs, agora, a necessidade de se fazer, essa é uma parte interessante, qual a necessidade de se refazer algo que já foi feito otimamente?Melhora-lo seria uma boa resposta, o filme pode ter deixado de explorar uma parte interessante da trama ou simplesmente você teria tomado uma decisão diferente da do diretor, agora, se essa nova abordagem vai ser significativa, temos que tentar analisar sem o remorso de que o anterior está sendo lesado, eu não acredito que isso de alguma forma diminui a imagem do original, muitas pessoas ainda vão deixar de conhecer o original, pelos motivos citados no começo do texto ou por simplesmente não se importarem com filmes estrangeiros, mas pelo menos oportunidade de chamar a atenção dessa audiência, o remake terá, agora se você só tá puto que mais gente vai conhecer seu filme favorito, me poupe! 

4 comentários:

  1. Remakes podem ser melhores que seus originais, vide Onze Homens e Um Segredo, Os Infiltrados, Scarface, algumas versões pelo simples fato da verdadeira atualização de trazer as coisas pra um publico atual, como na série Scream, derivada do classico serial killer, ou dar uma visão diferente adaptada ao diretor que refez. Muitas vezes me incomoda só necessidade desacerbada holywoodização e que perde a essência do original assim como é em Nueve Reinas, filme argentino do Fabian Belinsky e que no seu remake americano, 171, não tem tanto do "molejo latino", entretanto não podemos esquecer de Violencia Gratuita do Michael Haneke, que o mesmo refez a versão literal apenas com atores americanos.

    ResponderExcluir
  2. A lista dos bem sucedidos é imensa, por isso nem comecei a citar haha e agora fiquei intrigado para ver Scream depois do que falou.
    O fato do "molejo latino", é uma parte muito legal, e faz uma diferença e tanto, provoca uma atuação muito característica, e por isso acho que os filmes de língua espanhola são uns dos mais difíceis de serem adaptados.
    Agora se for pra americanizar, que seja pelo menos igual Funny Games né :))

    ResponderExcluir
  3. Clarissa Rodrigues26 de maio de 2016 13:03

    Muito bom o texto! Fiquei com aquele receio de assistir essa nova versão de Oldboy, pq pra mim ele já é tão completo por si só que talvez tivesse uma experiência ruim com uma das historias mais loucas que já vi.Sendo 5/10 da pra matar a curiosidade hehe. Hollywood teve uma fase que era tanto remake que tava difícil ate premiar roteiro original, rs.

    ResponderExcluir
  4. Verdade hehe Por isso dou uma pesquisada antes de ver remake, aposta um pouco mais certa são os clássicos do terror, que são sempre repaginados. :)

    ResponderExcluir

Do pouco que sei | Blog de fotografia, seriados, filmes e crônicas © , All Rights Reserved.